BragaFest.com – O melhor do entretenimento da Região

Lula quer mostrar a situação em que Bolsonaro deixou o país | www.bragafest.com

Lula quer mostrar a situação em que Bolsonaro deixou o país

A estratégia servirá para ele não ser cobrado pelo desgoverno de Jair Bolsonaro

Lula não quer ser cobrado por coisas que Bolsonaro não fez 

Opresidente eleito Luiz Inácio Lula da Silva (PT) pretende alardear à população o que aliados consideram um cenário caótico no país como forma de evitar ser cobrado por eventuais erros da gestão de Jair Bolsonaro (PL) e dar a dimensão do que pode ser feito no início do governo.

Filho de Lula chama Carlos Bolsonaro de chorão após críticas

Os dados a serem apresentados pelo petista constarão em relatório produzido pela equipe de transição. O documento vai mostrar, por meio de dados e informações, a situação econômica herdada de Bolsonaro em diversas áreas e seus impactos para a próxima gestão.

Segundo um aliado, o presidente eleito pediu que o relatório seja um consolidado didático, para ser amplamente divulgado à sociedade.

Lula não quer ser cobrado por coisas que Bolsonaro não fez
Lula não quer ser cobrado por coisas que Bolsonaro não fez | Reprodução

A equipe da transição irá redigir um documento específico a ser entregue a cada ministro nomeado e uma síntese ao petista. Um resumo inicial será apresentado no domingo (11) ao presidente eleito, mas deve ser focado na estrutura da Esplanada.

Os dados servirão para Lula decidir o tamanho de cada ministério e quais órgãos eles devem abrigar.

Entre as indefinições está, por exemplo, o destino do que será a Secretaria de Clima ou Autoridade Climática. Parte de aliados do presidente eleito entende que ela deva ficar sob o guarda-chuva do Ministério do Meio Ambiente. Outra parte quer que seja subordinada à Presidência da República.

Uma vez que definir esse organograma, Lula deve fazer novas escolhas de ministros.

Depois dessa primeira parte, a equipe de transição continuará debruçada sobre as informações para ampliar a síntese e incluir emergências orçamentárias, alertas do TCU (Tribunal de Contas da União) e sugestões de revogações, por exemplo.

Governo anuncia edital do concurso da Semas; saiba tudo!

Aliados de Lula dizem que a ideia é dar o máximo de publicidade ao tema. A intenção é fazer uma espécie de “vacina”, para preparar a sociedade sobre o que será possível ou não ser feito a partir de 2023.A situação deve, inclusive, ser explorada no pronunciamento da posse do presidente eleito, marcada para 1º de janeiro, ainda que sem citar nominalmente o presidente Bolsonaro.

O próprio petista tratou do assunto em declaração que fez à imprensa ao anunciar os primeiros nomes de seu ministério na manhã desta sexta-feira (9). E indicou que deverá dar publicidade a essa síntese entre os dias 22 e 23.

Lula disse que irá apresentar, “sem fazer um show de pirotecnia”, a situação encontrada em áreas como educação, saúde e ciência e tecnologia. “Para que a sociedade saiba. Porque se não apresentarmos agora, seis meses depois estará nas nossas costas os desmandos feitos pelo atual governo”, disse.

O presidente eleito afirmou ainda que a atual gestão é “um governo com o corpo muito grande e a cabeça muito pequena” e que não “preparou a administração desse país”.

O vice-presidente eleito Geraldo Alckmin (PSB), também na sexta, afirmou que o texto terá diagnóstico, sugestões de revogações e propostas de estrutura para cada área, assim como “alertas para os primeiros meses do governo, emergências orçamentárias e ações prioritárias”.

O tema foi tratado pela presidente do PT, Gleisi Hoffmann (PR), em reunião com o conselho político da transição, grupo formado por representantes de 13 partidos aliados, e em reunião do diretório nacional do PT, ambas na quinta-feira (8).

Segundo o relato de um participante do conselho político, a ideia é ressaltar a situação até mesmo como forma de garantir um crédito junto à sociedade dos limites que a nova gestão irá enfrentar, assim como para gerar margem de compreensão do cenário.

Dessa forma, esse tema irá permear as declarações da equipe de transição e do futuro governo. Segundo integrantes da equipe, o objetivo é dar a dimensão do que o governo eleito vai enfrentar.

Os relatórios preliminares de cada grupo, de acordo com quem tem acesso ao processo, mostram sérios problemas de gestão, que apontam para risco de descontinuidade de programas, por exemplo.

Os piores cenários estão nos programas de combate à fome, saúde, educação, segurança e previdência.

Em coletiva de imprensa para anunciar os resultados do grupo de trabalho do Planejamento, o ex-ministro Aloizio Mercadante, que coordena as equipes técnicas, afirmou que Bolsonaro “quebrou o país”.

No dia anterior, integrantes do grupo técnico da Educação da transição disseram que o ministério “está sem limite financeiro” e que essa é uma “preocupação imediata”. A afirmação foi feita depois de encontro com o comando atual da pasta na segunda (5).

Em outra área, como mostrou a Folha, a transição constatou que há problemas de dados na área da saúde.

A equipe de Lula recebeu a informação de conselhos estaduais e municipais de saúde mostrando que o ministério comandado por Marcelo Queiroga avisou, no fim de outubro, que não havia registros de ao menos 30 milhões de dados de doses aplicadas no SUS.

Integrantes da transição dizem que há ainda falta de recursos para produção de medicamentos estratégicos. Foi identificado também uma demanda reprimida de processos a serem analisados no setor da Previdência.

O governo de transição tem 32 grupos temáticos e, e tem mais de 900 integrantes –nem todos são remunerados, a maioria atua de forma voluntária.

DOL

site7
site3
site8
site5
site1
LCSITEMAS
site13
site10
previous arrow
next arrow